quinta-feira, 28 de novembro de 2013

TEAP - Modelos de testes


TEAP - Test of English for Academic Purposes, exame exigido em várias faculdades para o ingresso nos cursos de mestrado e doutorado.


- O exame TEAP contém 3 textos com 10 questões objetivas cada (total: 30 questões).
- Todas as perguntas e alternativas estão em inglês.
- Não é permitida a utilização de dicionários ou qualquer tipo de material de apoio.
- Seu celular deve estar desligado durante o teste.
- Você tem 2 horas (120 minutos) para fazer o teste.


Infelizmente a Tese Prime, as vezes, atualiza o site e a opção de visualizar o modelo de teste não funciona.

Clique neste link para visualizar o modelo do TEAP: Clique Aqui
Neste link há modelos de todos os testes aplicados pela TESE PRIME - basta clicar em TEAP que você terá acesso ao modelo (se o site estiver funcionando).

Eu tenho vários modelos de testes (modelos próprios - não são de propriedade da Tese Prime).

Caso queira, basta entrar em contato comigo pelo whatsapp: (35) 9 9954-0896 

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Presente Perfeito - Parte I




O PRESENTE PERFEITO é muito usado e por isso vou dividir este assunto em partes.


Ele é considerado um “pesadelo” por muitos estudantes da língua inglesa. Muitos professores de idiomas também não se sentem “confortáveis” quando trabalham com o assunto. Mas, na verdade, o que há de tão problemático?


Em meu ponto de vista, o problema é simples: Quando aprendemos um idioma, precisamos, como eu sempre enfatizo aqui, TRADUZIR e aí os problemas aparecem.


O que fazer quando vamos traduzir um tempo verbal que, na prática, não temos equivalente em português?


Analisem as frases:


I live em São Paulo.

I am eating at this moment.

I was studying when the phone rang.

I Will visit my mother tomorrow night.


Nas sentenças acima já temos uma certa familiaridade e não teremos dificuldades de entendimento visto que temos estes tempos verbais - Simple present, Present Continuous (Present progressive), past continuous (past progressive), Simple future, respectivamente -  em nossa língua e a tradução é praticamente clara e certa (vale lembrar de novo que traduzir é diferente de interpretar (entender) e, neste caso, precisamos também compreender a ideia que o tempo verbal expressa, porém isso é um assunto que poderemos discutir em um outro momento):



I live em São Paulo.
Eu moro em São Paulo.
I am eating at this moment.
Eu estou comendo neste momento.
I was studying when the phone rang.
Eu estava estudando quando o telefone tocou.
I Will visit my mother tomorrow night.
Eu visitarei minha mãe amanhã.


Na frase abaixo vemos um exemplo do uso do Presente Perfeito:


I have lost my car keys.


A estrutura do presente perfeito é esta:


Sujeito + verbo auxiliar “Have” + particípio do verbo principal + Complemento
    I                  HAVE                                 LOST                         MY CAR KEYS



Vamos analisar com calma:


Se usarmos nosso velho método de “tradução” entenderíamos assim:


“ Eu tenho perdido as chaves do meu carro”


Fica claro que existe algo errado. Nós jamais usaríamos uma frase assim no português sem qualquer outro complemento.


A melhor “tradução” seria:


Eu perdi as chaves do meu carro.


Sabe por quê?


O “presente perfeito” é um tempo verbal muito rico de significados na língua inglesa e que tem uma razão clara: Relaciona o presente com o passado - o meu presente está sofrendo influência de algo que aconteceu no passado (novamente retomo o ponto crucial do estudo dos tempos verbais: para cada tempo verbal temos que conhecer a estrutura da frase e também a ideia que o mesmo apresenta).


I have lost my car keys.


“Eu perdi as chaves do meu carro”-  está claramente explícito aqui que eu estou dizendo isso no “presente” e que neste momento algo que aconteceu no passado esta me impedindo de acessar o meu carro.


Imaginem outra situação:


Na tarde de ontem o chefe pediu para sua secretária preparar um certo relatório para a manhã do dia seguinte. Na outra manhã, assim que chega ao escritório, ele pergunta para sua secretária:


Have you finished my report?


“Você terminou meu relatório?”


Veja: Ele não quer saber quando a secretária terminou – ele quer apenas o resultado do esforço dela. Para ele não importa se ela terminou ontem ou se terminou hoje mas sim se o mesmo “está pronto agora!”.


Vocês podem me perguntar: “Mas porque, então, ele não fez a pergunta no passado?”


“Did you finish my report?”


É muito simples: 


O “Passado simples” expressa algo que aconteceu num tempo específico no passado. Isto implica que o ouvinte tem que ter claro em sua mente o tempo que o referido fato aconteceu - “Quando”?:


Para fazer a pergunta no passado, o chefe teria que mencionar o tempo:


Did you finish my report yesterday?


Did you finish my report this morning?


Porém, para ele, o que importa é o resultado e não o tempo.


Nesta primeira parte podemos definir então que a principal característica do Presente perfeito e relacionar passado e presente (o passado influencia algo no presente).


Espero ter esclarecido as dúvidas nesta primeira etapa e em uma segunda oportunidade aprofundaremos este estudo.


Fiquem a vontade para deixar suas dúvidas e comentários.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

INCOME => WAGE - PAY - SALARY - EARNINGS


WAGE - PAY - SALARY - EARNINGS - INCOME???

Todas estas palavras são usadas para se referir ao recebimento de pagamentos por serviços prestados, porém elas geram muitas dúvidas quanto ao seu uso.

Wage e Salary significam a mesma coisa?

Se considerarmos somente o fator "tradução" diríamos que sim. No entanto, como eu já disse várias vezes aqui, a simples tradução de uma palavra ou expressão, sem entender sua aplicação cultural e a ideia que a mesma transmite, sempre leva a traduções pobres ou equivocadas.

Então vamos aos fatos:

INCOME => É a soma de tudo que a pessoa recebe ao longo de um certo período, que pode ser decorrente de salário, aplicações, negócios, etc.

Um uso muito comum de INCOME e que ajuda a entender muito bem seu significado é a expressão:

INCOME TAX = Imposto de renda

WAGE => É o dinheiro que uma pessoa recebe por fazer seu trabalho (salário), geralmente pago toda semana.


a weekly wage of $200 = um trabalho semanal com salário de 200 dólares por semana.

SALARY => É o dinheiro que uma pessoa recebe por fazer seu trabalho (salário), geralmente pago todo mês.

He has a 200-dollar salary. = Ele tem um salário mensal de 200 dólares.

EARNINGS => É o recebimento no sentido geral da palavra.

His earnings are not so good. => Os rendimentos dele não são muito bons.

EARNINGS e INCOME  são sinônimos.

PAY => É o dinheiro que um empregado recebe por fazer seu trabalho.

The job offers good pay = O trabalho oferece bom pagamento.

WAGE, PAY or SALARY?

PAY é o sentido mais geral de todas as três. Empregados que trabalham em fábricas, etc recebem WAGES a cada semana. Pessoas que trabalham em escritórios ou profissionais em geral, como médicos, professores, etc recebem SALARY que é pago mensalmente - que é geralmente expresso em números anuais, por exemplo: um professor recebe um salário anual de US$ 50,000.00).


Espero ter ajudado a esclarecer o sentido de cada uma destas palavras. Caso alguém precise de mais esclarecimentos ou queira deixar expresso seu conhecimento ou entendimento, deixe seu comentário.


quinta-feira, 12 de setembro de 2013

VERY - MANY - MUCH





Very – Many – Much

Quando Usar?


É muito comum os estudantes brasileiros confundirem o uso destas três formas,  porém a diferença entre elas é bem clara.


O que gera confusão é o fato de querermos traduzir tudo aquilo que lemos em inglês. O mais importante é o “Understanding” (compreender) e não “translating” (traduzir). Posteriormente postarei um artigo sobre este tópico que é de suma importância para aqueles que estão batalhando no aprendizado da língua Inglesa ou de qualquer outra que seja.


Bem, vamos ao nosso tópico:


MANY e MUCH são usados como QUANTIFICADORES ( para quantificar algo), portanto são usados juntos com substantivos.


MANY => é usado antes de substantivos contáveis – aqueles que podemos contar.


A divisão dos substantivos em contáveis e incontáveis pode, também, gerar alguma confusão, uma vez que alguns substantivos que são considerados contáveis em português não o são em Inglês.


IMPORTANTE:  Substantivos incontáveis não tem forma no plural!


Em português dizemos:


Eu tenho muitas informações.


Na língua portuguesa o substantivo INFORMAÇÃO tem uma forma no plural.


Já em Inglês, isto não ocorre – INFORMATION é um substantivo incontável


I have much information. (Nunca diga MANY INFORMATIONS).


Futuramente postarei algo mais detalhado sobre este assunto.


Portanto:


Após o MANY o substantivo sempre virá no plural => MANY quer dizer MUITOS, MUITAS:


I have many books.


She works with many children.


There are many people on the street.


MUCH => é usado antes de substantivos incontáveis – aqueles que não podemos contar.

É seguido de formas no singular:


I don´t have much time.


She drinks much coffee.


There isn´t much pollution here.


Um outro ponto importante que vale a pena ressaltar é que as formas MANY e MUCH são mais comuns em frases negativas e interrogativas. Em frases afirmativas comumente usamos a expressão A LOT OF (Substitui tanto o MANY quanto o MUCH):


I have A LOT OF books.


I have A LOT OF time to study English.



VERY é usado como INTENSIFICADOR e, portanto, não pode ser seguido de substantivo. Ele precede um adjetivo ou um advérbio:


She is a very beautiful girl.


This subject is very hard to understand.


Thank you very much.


Em uma outra oportunidade estudaremos outros intensificadores como o “SO” e o “TOO”.

Espero que possa ter esclarecido as dúvidas de vocês, mas fiquem a vontade para deixar seus comentários.


sexta-feira, 3 de maio de 2013

Profissional brasileiro tem o sétimo pior nível de inglês do mundo


A folha de São Paulo publicou esta reportagem sobre o nível de inglês dos profissionais no mundo.

Realmente chama a atenção dos brasilieros para esta questão.


Os profissionais brasileiros têm o sétimo pior nível de inglês do mundo e o sexto pior da América Latina, de acordo com um índice que mede o grau de proficiência da língua dentro do mundo dos negócios. A média do país foi de 3,27 pontos --a pontuação dos países variou de 2,92 (Honduras) para 7,95 (Filipinas).
A pesquisa foi feita pela GlobalEnglish, empresa que ajuda corporações globais a melhorar o inglês de seus trabalhadores.
Além de Honduras, apenas outros cinco países se saíram pior que o Brasil: Colômbia, México, Arábia Saudita, Chile e El Salvador. Todas essas nações tiveram seu grau de proficiência em inglês classificado como "iniciante". A América Latina possui a média mais baixa: 3,38 pontos. A média mundial --4,75, de 10 pontos possíveis-- indica o nível de um funcionário capaz apenas de compreender apresentações de trabalho, desempenhando um papel mínimo na execução de tarefas complexas.

De todos os funcionários do mundo, apenas 7% têm inglês avançado. Outros 30% têm nota intermediária, 33% têm nível básico e 30% foram considerados iniciantes. O levantamento salienta a urgência de se aprimorar os conhecimentos dessa língua, já que a força de trabalho é cada vez mais global. 

Se consideradas as diferentes áreas da economia, os piores falantes do idioma estão na mídia, no governo e no setor imobiliário. Profissionais liberais e trabalhadores da área de tecnologia têm o melhor desempenho. Foram avaliados 24 mil funcionários em mais de 90 países, embora apenas 77 nações tenham sido listadas no ranking. 

(Folha de São Paulo - 24/04/2013) - Clique para ir no Site Da folha de São Paulo